ARTIGOS

Você está em - Home - Artigos - Avaliação da ultrassonografia com Doppler no diagnóstico da disfunção transjugular do desvio portossistêmico intra-hepático: um estudo prospectivo

Avaliação da ultrassonografia com Doppler no diagnóstico da disfunção transjugular do desvio portossistêmico intra-hepático: um estudo prospectivo



Avaliar prospectivamente o desempenho da ultrassonografia com Doppler (US) para a detecção de disfunção do desvio portossistêmico intra-hepático transjugular (TIPS) em uma coorte multicêntrica de pacientes cirróticos.

MÉTODOS
Este estudo foi realizado em 10 hospitais de ensino franceses. Após a inserção do TIPS, foi realizada angiografia e US-Doppler hepático a cada seis meses para detectar disfunção (definida por gradiente porto-sistêmico ? 12 mmHg e / ou estenose do stent ? 50%). A associação entre sinais ultra-sonográficos e disfunção foi estudada por modelos logísticos de efeitos aleatórios, e o desempenho diagnóstico de cada critério do Doppler foi estimado pelo método bootstrap. Este estudo foi aprovado pelo comitê de ética da Tours.

RESULTADOS
Duzentos e dezoito pares de exames realizados em 87 pacientes cirróticos foram analisados. As variáveis ??significativamente associadas à disfunção foram: a velocidade de fluxo na veia porta ( P = 0,008), a reversão do fluxo no ramo portal direito ( P = 0,038) e o esquerdo ( P = 0,049), a perda da modulação do fluxo portal pelo átrio direito ( P = 0,0005), ascite ( P = 0,001) e a impressão geral do operador ( P = 0,0001). Os desempenhos diagnósticos dessas variáveis ??foram baixos; a sensibilidade foi <58% e o valor preditivo negativo foi <73%. Portanto, a disfunção não pode ser excluída do Doppler-US.

CONCLUSÃO
O desempenho do Doppler-US na detecção da disfunção do TIPS é ruim em comparação com a angiografia. Novas ferramentas são necessárias para melhorar o diagnóstico da disfunção do TIPS.

Fonte: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5620422/

VEJA TAMBÉM:



Texto Original



To prospectively evaluate the performance of Doppler-ultrasonography (US) for the detection of transjugular intrahepatic portosystemic shunt (TIPS) dysfunction within a multicenter cohort of cirrhotic patients.

METHODS
This study was conducted in 10 french teaching hospitals. After TIPS insertion, angiography and liver Doppler-US were carried out every six months to detect dysfunction (defined by a portosystemic gradient ? 12 mmHg and/or a stent stenosis ? 50%). The association between ultrasonographic signs and dysfunction was studied by logistic random-effects models, and the diagnostic performance of each Doppler criterion was estimated by the bootstrap method. This study was approved by the ethics committee of Tours.

RESULTS
Two hundred and eighteen pairs of examinations performed on 87 cirrhotic patients were analyzed. Variables significantly associated with dysfunction were: The speed of flow in the portal vein (P = 0.008), the reversal of flow in the right (P = 0.038) and left (P = 0.049) portal branch, the loss of modulation of portal flow by the right atrium (P = 0.0005), ascites (P = 0.001) and the overall impression of the operator (P = 0.0001). The diagnostic performances of these variables were low; sensitivity was < 58% and negative predictive value was < 73%. Therefore, dysfunction cannot be ruled out from Doppler-US.

CONCLUSION
The performance of Doppler-US for the detection of TIPS dysfunction is poor compared to angiography. New tools are needed to improve diagnosis of TIPS dysfunction.


VEJA TAMBÉM: